A Gestão do Futuro

A classe empresária esta sempre de olho no futuro, tendências de mercados e oportunidades de novos negócios. Também alguns empregados estão sempre atentos, buscando estar em uma empresa que o conduzirá a um futuro melhor. No mínimo trabalhamos o para mantermos nossos negócios lucrativos e saudáveis. Esta série de artigos nasceu das experiências que  vivenciei  em  minhas viagens de trabalho pelo Brasil e pelo Mundo. O que eu relato pode parecer obvio, mas sempre estou me deparando com colegas empresários que não estão se atentando para a grande transformação pela qual o mundo está passando nos novos conceitos de negócios. Nestes últimos 20 anos eu vi muitas empresas fecharem e outras abrirem  da noite para o dia e se tornarem grandes negócios! As que fecharam, foi pela falta de atenção de empresários que não observaram as mudanças mundiais. As distâncias encurtaram! O mundo está cada vez mais próximo, competitivo e exigente, quem não se adequar a esta realidade vai sucumbir. Cada dia que passa, temos que observar mais os aspectos globais e não somente os regionais dos negócios que realizamos. Um movimento econômico em qualquer lugar do mundo nos afeta aqui no Brasil. Um lançamento, uma nova tecnologia que torna outras obsoletas. Há 15 anos atrás, não se pensava que hoje, as lojas virtuais venderiam mais do que as lojas presenciais em alguns ramos de atividade. Os conceitos estão se transformando dia após dia e existem tendências que estão cada vez mais claras. Na minha visão, as empresas do futuro, serão asque hoje tem estado atentas ao pensamento global. Existe algo ainda mais latente nas comunidades de consumo mais esclarecidas que são os aspectos sociais e ambientais. Muitas grandes redes de consumo têm exigido dos seus fornecedores certificados de responsabilidade social, verificando se os fornecedores não usam trabalho escravo, trabalho infantil e o quanto gastam com assistência social. Atualmente quem não estiver andar de acordo com certos conceitos sociais vai perder clientes e mercado rapidamente! Diante de uma compra muitas vezes nos deparamos com preços e condições iguais. Qual seria o seu critério para a escolha de um dos produtos? Quem tem uma obra social reconhecida certamente teria um peso maior na sua decisão da compra! Você compraria de uma empresa que polui menos o seu meio ambiente ou a que polui mais? Em breve estas informações deverão estar destacadas em embalagens de supermercados e terá um peso decisivo na escolha do produto.

Este artigo trata destes novos conceitos e de  como o empresário poderá se adaptar  à eles para que não perca o foco atual  e futuro.

Como presidente da ABRIMPE e precursor do “Programa de Cultura Empreendedora” para crianças e jovens estudantes, fui incentivado pelos colegas a manter este blog de informação. Espero que esta leitura lhe acrescente conhecimentos para tornar-se mais competitivo, global  e humano ao mesmo tempo.

1) Resolvendo problemas e lucrando

O conceito que julgo apropriado para qualquer negócio é que somos solucionadores de problemas!Tendo como exemplo uma  montadora que tem o problema de fornecedores de peças, você monta uma fábrica para atendê-los, para que ela resolva este problema e monte os carros. Temos o problema de desgaste do que vestimos e alguém resolve o problema fabricando as roupas. Temos o problema de nos alimentar fora de casa e alguém resolve o problema abrindo um restaurante perto de onde você trabalha. Quem não gosta de resolver problemas não é indicado para ter um negócio próprio! Da mesma forma o funcionário que não resolve problemas não é útil para qualquer empresa! Onde queremos chegar com isso? A visão de futuro é a de antever onde surgirão os problemas!  Para onde minha empresa ou o meu emprego deve caminhar para suprir esta demanda?

Se você tem um negócio que está dando lucro é porque você resolve bem o problema de alguém e este cliente continuará precisando de você! Se o seu negócio está indo bem, é porque o mercado o está reconhecendo!

A empresa do futuro está focada em resolver e observar os problemas atuais e se preparar para resolver os problemas futuros dos seus clientes. Há um equívoco ao meu ver, em se achar bom trabalhar em um lugar onde não há problemas.Enquanto houver problemas no mercado, haverá empresas para resolvê-los. Há um ditado popular que diz: “Enquanto alguns choram na crise, outros vendem lenços!” Ou seja, a empresa do futuro tem que estar pronta para mudanças e aproveitar as oportunidades. Em alguns trabalhos de consultoria que realizamos, um empresário me disse certa vez que não aguentava mais fornecer peças para uma montadora de linha branca! A montadora o explorava demais, seu negócio não estava mais sendo rentável e acumulava prejuízos. A primeira alternativa, sugeri que fizesse  uma renegociação dos preços de fornecimento e a segunda, procurar um concorrente que pagasse mais. Não existe somente concorrente fornecedor, existe também “concorrente cliente”! Dispense o cliente que lhe dá prejuízo. Mesmo que seja conhecido e lhe dê prestígio. Ele não vai cobrir os seus prejuízos e não vai se importar se você quebrar.  Busque outro cliente que esteja com o mesmo problema de fornecimento. Ele assim o fez e teve a alegria de encontrar um concorrente com melhor preço para colocar o seu produto. Houve outro caso em  que o empresário não  encontrou clientes semelhantes ao produto que fazia e então buscamos clientes de produtos diferentes. Com poucas adequações da fábrica, ele conseguiu desenvolver outro seguimento de negócios. A empresa do futuro, tem que focar em resolver problemas dentro daquele mercado que atua ou mercados semelhantes. Buscar mercados emergentes, acompanhar as tendências e ir atrás delas! Mas guarde bem este conceito de “resolver problemas” que vamos utilizá-lo mais adiante nesta série de artigos para chegarmos aonde queremos com esta leitura. A empresa do futuro tem que ser focada em resolver as dificuldades atuais dos clientes e observar os problemas que virão pela frente, para ofertar ainda mais ao mercado consumidor. Assim ela estará se garantindo na lucratividade por longos períodos de tempo.

2)  Pensando de forma global

Há 30 anos atrás, enviávamos uma carta para o exterior e lá chegava uma semana depois. As ligações telefônicas eram absurdamente caras e não tratávamos quase nada por telefone. As informações demoravam a chegar e havia muitas barreiras para que vendêssemos ou comprássemos qualquer coisa fora do Brasil. E isto, não era diferente nos países pobres ou ricos. Mas a revolução das comunicações com o advento da Internet,aproximou o mundo e as pessoas. Hoje eu sento na minha sala em frente da televisão de LED, com uma câmera CCD Full HD e falo com meus parentes em Houston sentados na sala deles durante o tempo que eu quiser, pagando somente a conexão mensal de internet. No inicio do ano estive em Chicago e fui com uma companhia aérea que disponibilizava WIFI no vôo até o Brasil, eu fui recebendo e-mail, falando no provedor de voz da internet, negociando, trabalhando em vôo. A informação chega até você de forma instantânea a um custo muito baixo!  Não somos mais cidadãos do Brasil, França ou China e sim, cidadãos do mundo! Mas isto não está somente ocorrendo de forma individual,está também ocorrendo de forma coletiva, empresarial e profissional. Sua empresa está inserida no mundo, o seu currículo tem que estar também em inglês e ser colocado nas redes internacionais de relacionamento de RH. Hoje tudo caminha para a globalização e quem ficar fora desta onda vai ficar de fora das melhores oportunidades! Meus filhos são engenheiros formados, mas foi o mínimo que fizeram, exigi deles também que falassem fluentemente pelo menos uma língua estrangeira.

Em uma de minhas viagens para a China, no vôo fui sentado ao lado de um empresário brasileiro que estava indo para lá, ensinar os chineses  o hábito de tomar café. Ele me disse: “Você imaginou quando os chineses começarem a se acostumar com o café? Eu estou ensinando eles gostarem da minha marca de café, assim eu saio na frente e vou ganhar muito dinheiro!” Fiquei surpreso com a visão de futuro deste empresário que não foi na China buscar fornecimento como fazem a maioria dos empresários brasileiros e  sim, gerar uma demanda para produtos brasileiros.

A empresa do futuro tem que pensar de forma global, resolvendo problemas globais.

3)  O que o futuro reserva para o seu negócio

Não é preciso ser um especialista em mercados futuros   para descobrirmos as demandas que a humanidade vai carecer em breve. A população mundial chegou a 7 bilhões de habitantes e deve chegar a 9 bilhões em pouco tempo. Isto vai demandar mais energia, alimentação, roupas, moradias, transporte, educação e não é difícil entender que qualquer negócio nestas áreas deve dar muito lucro em curto espaço de tempo. Da mesma forma, as inovações que surgirão em todas as áreas, serão âncoras de novos negócios de serviços diversos, para o bem estar da humanidade. A quantidade de PHD´s no mundo dobrou na ultima década e o número de trabalhos publicados também. Mas da mesma forma que prevemos tudo isto com a certeza da sua realização, podemos dizer que vamos gerar muita poluição, gazes de efeito estufa e destruição da natureza. A demanda de muitas destas coisas básicas não chegarão a muitos que ainda passarão por necessidades em muitas partes do planeta. A quantidade de trabalho vai aumentar e a humanidade vai ter uma tendência grande de sedentarismo, de estresse e saúde debilitada.

Baseado em todos estes fatos presentes e futuros poderíamos afirmar que temos 3 causas negativas básicas no ser humano que será um problema futuro: Poluição do meio ambiente, saúde humana debilitada e carência alimentar.

O mundo carece de ações que diminua a poluição, que desenvolva a saúde humana e promova o mínimo de sustento para os carentes.

Eu posso afirmar que a sua empresa vai ter muito sucesso se observar as tendências das necessidades mundiais!

Se não tiver atitudes responsáveis também vai gerar muita poluição, muita gente com saúde debilitada e ainda não vai conseguir ajudar o suficiente, pessoas carentes de sua comunidade.

Onde há uma carência há uma oportunidade, existe um problema a ser resolvido. E mesmo que a sua empresa não seja fornecedora de qualquer coisa que possa ajudar. Sua empresa pode promover pequenas atitudes que podem ajudar muito no meio que ela influencia.

Li uma reportagem antropológica que me fez ficar estarrecido com o poder da influência. A reportagem dizia que uma pessoa que vive até os 70 anos de idade  influencia em média 10 mil pessoas em toda sua vida. Isto sem esforço algum, somente vivendo o nosso cotidiano de forma normal. A reportagem dizia que quando vamos em um shopping de camisa vermelha por exemplo, todas as pessoas que nos observou de roupa vermelha, de alguma forma ficarão influenciadas a utilizar o vermelho em uma próxima ida ao shopping e pelo menos 3% das que o observou utilizarão a roupa vermelha. Isto acontece também com palavras, atitudes e gestos em geral. Imagine uma empresa de 100 pessoas, que tem em média mais cinco pessoas na família. Esta conta já daria 500 pessoas vezes 10000 pessoas. Poderíamos influenciar 5 milhões de pessoas com algum tipo de atitude benéfica para a humanidade.

É possível ter um negócio lucrativo e ainda promover ações benéficas para a humanidade!

As empresas que não se enquadrarem nesta nova perspectiva de negócios vai ficar de fora das grandes oportunidades!

O que o futuro reserva para o seu negócio dependerá das suas atitudes reais, que a sua empresa vai ter em relação às carências gerais da humanidade. Além de fornecedordos produtos que fabrica, terá que utilizar embalagem reciclável, energia limpa, separar o lixo, reutilizar água de chuva, tratar o seu esgoto, apoiar entidades filantrópicas, estimular o esporte entre os funcionários, promover formação para os funcionários e ajudar a comunidade local.

Todas estas atitudes de responsabilidade social da sua empresa vão gerar ganho de mercado em relação ao seu concorrente.  Estas atitudes fortalecer sua marca e devem ser divulgadas para os seus clientes, concorrentes, funcionários e familiares dos funcionários.

Quando visito uma empresa, vou direto olhar o jornal informativo. Vejo muitas informações de produtividade, de segurança, premiações de ideias, aniversários em geral, novidades da empresa e fotos de muita gente importante. Vejo pouca informação sobre reciclagem, sobre atitudes sustentáveis que pode ser ensinada para os  funcionários terem em casa. Alguma atitude de ajuda humanitária, ações de filantropia em geral para as comunidades carentes.

O futuro do seu negócio vai depender muito da mudança de atitude que você poderá ter daqui pra frente com todos estes itens importantes referentes ao futuro da humanidade! Como eu posso colaborar? Como posso ser uma empresa que lucra e ajuda? Este é o seu desafio de uma onda que não tem volta!

4)  Lucro X Sustentabilidade

O mundo já entendeu que gerar todos estes negócios sem se preocupar com o mal causado pelo progresso, nos vai levar ao colapso da sobrevivência na terra. Algumas coisas têm que ser feitas e as empresas do futuro já estão se mobilizando para isso. Alguns critérios estão surgindo de forma isolada em todo o mundo, para o consumidor em um modo geral. Na Europa alguns países já não compram móveis de madeira de florestas tropicais. Alguns supermercados não compram produtos de empresas que não respeitam o meio ambiente. Uma série de medidas estão sendo tomadas no mundo para minimizar os efeitos devastadores deste progresso da humanidade. O que significa sustentabilidade e como ela se aplica em uma empresa? Na verdade um sistema 100% sustentável quase inexiste. Qualquer empresa gera poluentes, gasta energia, água, etc. Sigamos a matriz energética mundial e vamos escolher uma das melhores delas que é a hidroelétrica. As hidroelétricas geram problemas ambientais no corte de florestas, diminuindo o espaço da fauna e ainda geram o gás metano no fundo dos lagos artificiais. Se você produzisse algo, gerando sua própria energia de forma limpa, solar por exemplo. Se todo o seu lixo fosse reciclado, se todo o seu esgoto fosse tratado, se todos os funcionários fossem trabalhar de bicicleta ou a pé. Se todos os danos ambientais causados por sua empresa fossem compensados dentro da própria empresa e ainda todos os seus fornecedores tivessem a mesma postura. O nível de sustentabilidade da sua empresa estaria perto de 100% ser sustentável. Além de todos estes cuidados ela ainda deve ser economicamente sustentável.

Os gastos e investimento necessários para se ter um bom índice de sustentabilidade pode ser tão grande que inviabiliza a empresa.

Mas de qualquer forma, você pode tomar uma atitude de ir gerando situações sustentáveis dentro da sua  empresa. E mesmo que isto custe alguma coisa, você pode reverter seu gasto em lucros melhores pois você fabrica o seu produto de forma sustentável. No futuro o seu cliente certamente vai querer saber o que a sua empresa faz para melhorar o índice de sustentabilidade. Em um futuro próximo na verdade, vamos ter acesso ao ranking das empresas sustentáveis e vamos decidir nossas compras baseado nele. A terra é nossa casa, quem tratar mal nossa casa não vai prosperar e não vai ter futuro!O mesmo ar que você respira o Americano e o Europeu respiram, a mesma água da chuva e os mesmos oceanos são partilhados por todos nós. Hoje pode parecer gasto desnecessário, mas em breve, será uma exigência mercadológica do que você está fazendo para melhorar o mundo. Faça da sua empresa uma empresa que gradualmente vai tendo atitudes sustentáveis e exija o mesmo dos seus fornecedores! A sua empresa sempre estará na frente dos outros e colherá os frutos desta postura sustentável. Há dois anos atrás, uma grande empresa fabricante de talheres brasileira perdeu uma concorrência mundial de uma grande rede varejista. O motivo da perda não foi preço, foi por que a empresa não tinha o BSA (Balanço Sócio Ambiental) exigido pelas grandes empresas de consumo mundial. Estes acontecimentos pontuais são na verdade o inicio de um ciclo duradouro que vai nos alcançar em um futuro próximo de atitudes sustentáveis das empresas. O BSA é um balanço dos gastos realizados pelas empresas para o meio ambiente e obras sociais. Haverá um dia em que a diferença de preço não vai ter o peso tão grande quanto ao que a sua empresa está fazendo para ser Sustentável, Saudável e Solidária! O meu objetivo com este artigo é que o leitor conclua a necessidade desses 3 conceitos a serem seguidos, como caminho da empresa do futuro!

Deixe uma resposta